Marisa Costa

Saber sonhar é saber viver!

Textos


Cavalgantes, hão instantes assim.... 
 
Era promessa vento forte no telhado...
Noite alta, bebendo vinho, toque de labaredas febris ser um prazer. Um repartir horas fazer sonhar loucuras.
 
Será?
Arrepios conduzem meus passos. 
Farto-me. Amo, confio. 
Ando desarmada.
 
Um gesto fugido, um mal fingido, no entanto, querem apagar o prazer infinito.  Por um motivo qualquer, na avareza da noite, encobrir sensações...
 
Resisto. Vou a nocaute...
Fome e vento sacudidos têm mil razões pra fazer de, instantes assim, encontros cavalgantes.  Mentiras, verdade sublime,um limite sem fronteiras...

Tentação...
Da janela, onde entra a luz florescente, danado dum sonho lindo,  por conta duma emoção entregue à fogueira das  ilusões, deixa falar a voz do coração.
Corpo, espírito nem de fria cautela querem saber não.
Cavalgantes, hão instantes assim... 

 

 
(*) Imagem: Google
                                       *****************************************
 
Belo! Valeu, poeta.

De Pedro Pedra:
"Lindas são, se assim, são"...
Marisa Costa
Enviado por Marisa Costa em 05/05/2018
Alterado em 11/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras