Marisa Costa

Saber sonhar é saber viver!

Textos


Elegia: Veneza sem ti... 


Que profunda emoção recordar-te nas tardes de Veneza...
Entre o crepúsculo e o amanhecer,

a gôndola abrigando romantismo,
louca doçura do prazer era comer a maçã como um pecado...
Tua semente em mim me fazendo florir
e caíamos como duas folhas... 
Pura epifania!

Livres e leves, tanto faz
nós dois sim, juntos 

embriaguez perfeita em Veneza.
 
Tanta coisa aconteceu. Tanta coisa mudou...
Inebriantes instantes, ora são rosas que fascinam e fenecem
horas que voam desdenhadas  na contra-mão da história...  
Inseguros, deitados juntos, separados, 
despedaçados contra o silêncio,
sem saber como vai 
ser a vida de agora em diante, 
coração se aperta, lágrima se solta...
 
Vida desaconteceu!
 
Cinzel da sozinhez fia o frio do adeus corroendo corpos,
sem destino, desatinados...
Poema de despedida. 
Quão triste é Veneza quando o mais é nada...
Sem ti, sem teu amor,
tristeza sem fim.

 
 
https://www.youtube.com/watch?v=M_NYURYBcCs
Música:  Venecia Sin Ti ( Charles Aznavour)


(*) Imagem: Google

***********************************
Interações/comentários mais bonitos...inspirações show!!!
De Ferreira Estêvão:

"Gôndolas deslizam entre o labirinto de águas, desliza também um amor, transportado por mágoas e empurrado pelo remador?

 
 
 

 
 








 
Marisa Costa
Enviado por Marisa Costa em 17/02/2017
Alterado em 19/02/2017

Música: Venecia Sin Ti - Charles Aznavour

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras